domingo, 10 de dezembro de 2017

POLICIÁRIO 1375



TAÇA DE PORTUGAL TEM FINALISTAS


Aproxima-se a passos largos o grande final das nossas competições deste ano de 2017, um ano muito especial por termos completado um quarto de século, 25 anos ininterruptos nas páginas do PÚBLICO.
A presença do Policiário num jornal de referência e numa edição nobre como é a de domingo, sempre em crescendo no número de participantes, dá-nos a garantia de que o nosso passatempo não tem limites e que um bom desafio policial é um exercício que muitos leitores já não dispensam.

TAÇA DE PORTUGAL

Estão encontrados os grandes finalistas da Taça de Portugal deste ano:
INSPECTOR MOSCARDO – BÚFALOS ASSOCIADOS
Depois de muita luta e empenho, eliminatória a eliminatória, o momento em que chegamos aos finalistas é sempre especial e digno de comemoração, porque corresponde ao culminar de todo um processo muito mais complicado do que parece à primeira vista.
Há uns tempos, confidenciava-nos um dos nossos confrades, que uma vitória na Taça de Portugal valia, para ele, muito mais que um título de campeão nacional. Explicava que era muito mais difícil defrontar confrades no “um contra um” do que elaborar soluções para obter o máximo de pontuação, sendo certo para ele que a obtenção do máximo de pontos em todos os desafios o conduziria ao título – o que nem sempre ocorre! – enquanto para superar um confrade diferente em cada um dos desafios era muito mais exigente.
Não tendo tantas certezas como o nosso confrade, apesar de lhe reconhecermos alguma razão, não podemos deixar de exprimir um certo carinho pessoal por uma competição de “momentos”, de rasgos e surpresas que sempre podem acontecer. Mais ainda, porque se trata de uma competição onde um erro pode ser compensado, desde que o adversário directo não faça melhor, ao contrário do que normalmente acontece no campeonato, onde uma má prestação deita, normalmente, tudo a perder.
Num cúmulo, altamente improvável, mas possível, um confrade pode conquistar a taça sem ser totalista em qualquer desafio, desde que os seus sucessivos opositores façam sempre pior pontuação do que ele. Não consideremos a primeira prova em que não há confronto individual, antes são apurados os melhores 512 participantes e em que, quase de certeza, é necessário ser-se totalista para avançar.
Seja como for, estamos perante os finalistas de uma competição a eliminar e certamente que os confrades vão proporcionar uma boa final, que já não é novidade para a dupla Búfalos Associados, que inclusivamente já a conquistou, mas marca a estreia do confrade Inspector Moscardo nesta “alta-roda” do Policiário. Certamente será a primeira de outras presenças.
O sucesso de ambos nas meias-finais, perante problemas complicados de resolver, foi valorizado pela boa réplica dos respectivos adversários Rigor Mortis e Inspector Boavida, a quem queremos deixar uma saudação muito especial, porque chegar a umas meias-finais da taça não é um resultado menor, bem pelo contrário, é uma marca que apenas uma restrita minoria se pode gabar de ter alcançado.
Chegados praticamente à recta final de mais uma taça, queremos deixar aqui uma saudação muito especial a todos os “detectives” que nela participaram e um estímulo para que cada “detective” estabeleça como objectivo fazer sempre melhor do que na época anterior!

RESULTADOS “AO VIVO” NA PASSAGEM DE ANO

Repetindo a experiência de anos transactos, em que os resultados finais das competições foram sendo divulgados ao longo da noite de passagem de ano, havendo registo de muitas centenas de acessos ao blogue Crime Público (em http://blogs.publico.pt/policiario) sempre na ânsia natural de cada confrade ficar a saber o mais antecipadamente possível qual o seu comportamento competitivo.
Este ano, a passagem de ano será, uma vez mais duplamente policiária, porque para além de repetirmos o esquema dos anos transactos, em que progressivamente vão saindo resultados e vencedores, teremos igualmente a nossa secção publicada no jornal desse mesmo dia, por ser domingo! Recordemos que a mesma situação ocorreu no ano transacto, mas dessa vez devido à antecipação da nossa secção que, excepcionalmente foi publicada no sábado.
O programa é relativamente simples: Desde o início da noite, iremos publicando os resultados da prova n.º 10, as pontuações obtidas pelos “detectives”, a que se seguirão, pouco a pouco, os vencedores de cada classificação, culminando com o campeão nacional de decifração (este ano não houve campeonato de produção uma vez que os autores dos problemas publicados foram convidados para o efeito, de entre os que mais se destacaram ao longo dos 25 anos de existência), vencedor da Taça de Portugal, Policiarista do Ano e n.º 1 do Ranking.
A noite terminará com a consagração de todos os confrades, preparando a nova época de 2018.

RESULTADOS DA PROVA N.º 9

Como sempre acontece, as pontuações completas vão sendo publicadas em primeira mão no blogue Crime Público, o que acontecerá também com as da prova n.º 9. Para uma consulta mais pormenorizada de todas as classificações, o CLUBE DE DETECTIVES, do confrade Daniel Falcão, é o local adequado e está disponível em http://clubededetectives.pt  






domingo, 3 de dezembro de 2017

POLICIÁRIO 1374



PROPOSTAS POLICIÁRIAS

Praticamente no final de mais um ano, a escassos dias do final do prazo para solução dos últimos enigmas de 2017, há novas iniciativas para os “detectives” poderem manter as “células cinzentas” em boa forma.
Uma vez mais, é o confrade Inspector Boavida que nos desafia para a produção de enigmas policiários e para a sua decifração. Trata-se de mais uma oportunidade para que cada confrade deite as “mãos à escrita” e mais tarde conte com a “solução à vista”. Tomem nota da notícia e dos regulamentos:

DUAS NOVAS INICIATIVAS POLICIÁRIAS

A secção O DESAFIO DOS ENIGMAS, do jornal AUDIÊNCIA GP, tem neste momento em marcha duas novas iniciativas:
1)“Mãos à Escrita!” – um concurso de produção de enigmas policiários, aberto a todos os que se queiram “aventurar” na escrita deste género de ficção, sem temática definida, tendo apenas como condição o limite máximo da dimensão do enunciado (duas páginas A4, com o tipo de letra Times New Roman, corpo de letra 12 e espaçamento de 1,5 linhas); 2) “Solução à Vista!” – um torneio de decifração, composto pelos enigmas apresentados ao concurso supracitado, em que os participantes (também) classificam os produtores.
Os seus respectivos regulamentos aqui estão: 
MÃOS À ESCRITA!
CONCURSO DE ENIGMAS POLICIÁRIOS (PRODUÇÃO)
REGULAMENTO
1.O concurso é aberto a todos os leitores do AUDIÊNCIA Grande Porto ou seguidores do blogue O Local do Crime, sem condicionalismos de idade; 2. Cada concorrente pode apresentar mais do que um original; 3. Os trabalhos, na modalidade de produção de enigma policiário, em língua portuguesa, deverão conter enunciado e respectiva solução; 4. Os trabalhos deverão ser apresentados em suporte digital, formato A4, com tipo de letra Times New Roman, em corpo 12 e com 1,5 de espaçamento entre linhas; 5. O enunciado do enigma deve ter o máximo de 2 páginas e a solução o máximo de uma página e meia; 6. Os trabalhos, nos moldes atrás descritos, deverão ser enviados para o endereço electrónico salvadorpereirasantos@hotmail.com, entre 1 de Dezembro de 2017 e 15 de Abril de 2018; 7.A classificação dos enigmas será definida através da média da pontuação atribuída pelos participantes no torneio de decifração “Solução à Vista!” e pelo orientador da secção O Desafio dos Enigmas; 8. Na apresentação da solução de cada prova do torneio de decifração acima referido, os participantes atribuirão ao respectivo enigma entre 5 a 10 pontos, tendo o orientador da secção o mesmo número de pontos para atribuir a cada enigma; 9. Será vencedor do concurso o enigma que alcançar uma pontuação média mais elevada, sendo distinguidos os enigmas classificados na segunda e terceira posições; 10. Serão atribuídos os seguintes prémios: 1º. Lugar – Troféu M Constantino; 2º. Lugar – Taça Zé da Vila; 3º. Lugar – Taça Mário Campino; 11. Os casos omissos serão resolvidos pelo orientador da secção O Desafio do Enigmas, não havendo recurso das decisões tomadas. 

SOLUÇÃO À VISTA! TORNEIO DE DECIFRAÇÃO
REGULAMENTO
1. O Torneio de Decifração de enigmas policiários é aberto a todos os leitores do AUDIÊNCIA Grande Porto ou seguidores do blogue O Local do Crime, não necessitando de inscrição prévia; 2. O Torneio será constituído pelos enigmas apresentados ao concurso “Mãos è Escrita!”, que serão publicados mensalmente a partir de 1 de maio de 2018; 3. As propostas de solução de cada enigma deverão ser enviadas até ao dia 10 do mês subsequente ao da sua publicação, sendo acompanhadas de pontuação atribuída ao respectivo enigma, entre 5 a 10 pontos, em função da sua originalidade, qualidade e grau de dificuldade. 4. Cada proposta de solução será classificada entre 5 e 10 pontos, correspondendo 5 à simples presença e 10 à solução integral do enigma, sendo as pontuações intermédias definidas de acordo com o grau de resolução; 5. Em cada enigma, das soluções enviadas serão seleccionadas, pelo orientador da secção, as três melhores, que somarão mais 3, 2 e 1 pontos; 6. Será vencedor do Torneio o concorrente que no final acumule o maior número de pontos, sendo distinguido com o Troféu “AUDIÊNCIA Grande Porto’ 2018”; 7. Os concorrentes posicionados nos três lugares subsequentes da classificação final serão distinguidos com as Taças “Natércia Leite”, “Severina” e “Medvet”; 8. Os classificados entre o quinto e o décimo lugar serão distinguidos com medalhas de participação; 9. Os casos omissos serão resolvidos pelo orientador da secção O Desafio do Enigmas, não havendo recurso das decisões tomadas.

LIVRO NOVO DO INSPECTOR GIGAS



Enquanto se aguarda o anúncio da editora “Circo de Ideias”, podemos adiantar que a sessão de lançamento do livro “Zé Gigas, poeta popular – Antologia Poética 1962-2017” terá lugar no próximo dia 15 de Dezembro (sexta-feira), às 21:30, no Salão Nobre do Palácio do Bolhão (Teatro do Bolhão) – Rua Formosa, n.º 342/346, 4000-253 Porto, com entrada livre.
Tratando-se de um confrade que nos vai brindando com algumas soluções em verso que têm merecido o prémio de originalidade, reveladoras dos inegáveis dotes que o confrade tem, não é surpresa o lançamento desta antologia, que contará, como é óbvio, com a presença do autor que autografará os exemplares adquiridos.

  

Fica feito o convite ao nosso Mundo Policiário.


domingo, 26 de novembro de 2017

POLICIÁRIO 1373




O EXEMPLO DE CONSTANTINO
E A CRÓNICA FALTA DE PRODUÇÕES


Enquanto decorre ainda o prazo para dar solução ao trabalho mais recente de M. Constantino, saudamos o “mestre” que vem desenvolvendo actividade importante ao longo de muitas décadas, em prol do Policiário, como seu estudioso, sendo autor de muitos ensaios sobre a Literatura Policial e a nossa actividade e um divulgador importante de uma das nossas facetas menos utilizadas, mais concretamente a técnica de investigação, que usa amiúde nos seus problemas.
Possuidor de vastos conhecimentos na área da técnica de investigação criminal e Polícia Científica, M. Constantino vai passando alguns conhecimentos, sobre armas, sobre venenos, etc., tornando os problemas bem mais verosímeis e próximos da realidade criminal que pretende transmitir.
De uma das suas muitas obras, precisamente o “Manual da Enigmística Policiária”, numa edição da Associação Policiária Portuguesa, de 1995, deixamos um dos seus textos mais significativos, sobre aquilo que ele entende ser a relação entre o homem e o apelo pela resolução do enigma:
«O homem encontra no enigmático algo que lhe excita o espírito e lhe motiva a curiosidade.
Posto perante um mistério, todas as faculdades se lhe alertam e, atentas, se debruçam em torno do problema.
Sente prazer íntimo em seguir passo a passo todas as pistas até alcançar o objectivo.
Satisfaz-se ao conseguir rodear as dificuldades, tanto como vencer obstáculos que se apresentam intransponíveis.
E quanto mais a precisão dos factos não se permite que se vislumbre sombra de uma estrada, maior é o apego e o desenvolvimento do cérebro, maior é a satisfação da vitória. (…)”

M. Constantino continua o mesmo, criador de enigmas policiários, trabalhador da mente, desafiador dos leitores, apesar de estar já para além das nove décadas de existência e mais de sete de policiário, prova absoluta de que não há idade limite para imaginar, pensar, desenvolver ideias e colocar os outros a pensar.

Na mente de quem esteve presente na justíssima homenagem que foi prestada ao “mestre” em 17 de Maio de 2015, na sua terra natal, Almeirim, ainda ecoam as suas palavras emocionadas, de agradecimento:
“Obrigado por terem vindo. Sois uma Família que junto à do meu sangue, aqui representada pela minha filha Marília e neta Teresa. Já afirmei em tempos, que uma homenagem não se pede, nem se recusa: agradece-se…
Não serei mal-agradecido, no entanto sempre vos digo, sou tão digno desta homenagem como a maioria dos presentes. Todos lutamos por ficar entre os melhores, por vezes conseguimo-lo. Essas pequenas vitórias não nos tornam o melhor, certamente. Fazer parte do grupo dos melhores, é bastante!
De resto, o troféu maior, o apetecido, está nas amizades conquistadas: Essas sim, engrandecem-nos, sois o exemplo.”

PRODUÇÕES
Após falarmos de um dos maiores cultores e “fabricante” de enigmas policiais, regressamos ao tema da falta de produções, uma “doença crónica” muito nossa! Assegurada, como sempre, a disponibilidade dos produtores mais activos da nossa secção, uma disponibilidade que não nos cansamos de agradecer, a verdade é que necessitamos de “sangue novo”, novos métodos e processos de escrita, novidades, em suma, que evitem uma certa estagnação. É que, após alguns anos de Policiário, com o conhecimento dos autores e dos seus processos, começamos a perceber e antecipar as suas conclusões, quase resolvemos os problemas pelo conhecimento que temos dos seus autores. Claro que é um exagero, mas quer dizer algo.
A nossa actividade baseia-se, em primeira instância, na qualidade dos desafios que temos para propor aos “detectives”. É frustrante chegarmos à conclusão de que um determinado problema não tem a resposta adequada, depois de imenso tempo perdido na sua análise, ou que é anulado após tanto esforço.
Por isso vamos lançando o nosso apelo para que os nossos “detectives” elaborem um desafio, de qualquer dos tipos e o façam com o espírito de propor aos restantes confrades aquilo com que gostariam de ser confrontados. Aquilo que lhes daria prazer resolver.
Um problema passa sempre pelo contar de uma história, por retratar uma cena verosímil, capaz de ter ocorrido em qualquer lugar, que envolva um enigma e a sua resolução. Terminada a exposição dos factos, no exacto momento em que o investigador vai passar à fase de apresentação das conclusões e exibir as provas em que se baseia para apontar o responsável, o produtor interrompe o seu conto e lança os seus desafios. Alguns produtores escolhem o método de fazer algumas perguntas, que querem ver respondidas, outros optam por simplesmente interromperem o texto e aguardarem pelos relatórios. No caso dos de escolha múltipla, o texto termina com as quatro hipóteses de solução, de entre as quais o decifrador terá que escolher uma.

Caríssimos “detectives”, não é aceitável que tenhamos hoje um universo de participantes nos nossos desafios de mais de dois milhares de confrades, que os lêem e estudam, se dão ao trabalho de escreverem as soluções, mas não tenham a curiosidade de testarem os seus dotes de escrita, em desafios postos à consideração e decifração dos restantes confrades.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

TAÇA DE PORTUGAL - 2017

FINALISTAS DA TAÇA DE PORTUGAL  2017

INSPECTOR MOSCARDO - BÚFALOS ASSOCIADOS



domingo, 19 de novembro de 2017

POLICIÁRIO 1372



DECIFRADA A MORTE DO AFONSINHO

Estamos cada vez mais próximos do final das nossas competições desta época. Hoje, vamos tomar conhecimento das soluções que o Inspector Fidalgo encontrou para os seus desafios.
Fica a faltar o grande teste que vai ser o problema do “mestre” M. Constantino, certamente o definidor de todas as classificações.
Cabe aqui uma nota para o desafio publicado na passada semana, que mereceu referências elogiosas à generalidade dos confrades que se pronunciaram sobre um dos maiores vultos do Policiário português. Ao grande espírito divulgador de Sete de Espadas, que impulsionou a nossa actividade até limites muito altos, criando gerações de adeptos e leitores, juntamos, na galeria dos nossos maiores o nome de M. Constantino, o produtor de enigmas policiais de excelência (sabendo que só com bons problemas policiais o passatempo se pode desenvolver), a par de uma enorme actividade de ensaísta e investigador.
O desafio da semana passada não tem apenas uma solução certa, como referimos na altura, pelo contrário, só tem respostas correctas e até no nome do seu autor os confrades encontraram um enigma para decifrar. Quase imediatamente após a publicação, houve tentativas de decifração, embora sem ninguém a acertar no alvo. Aceita-se sugestões…

CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL – 2017
SOLUÇÕES DA PROVA N.º 9
PARTE I - “A MORTE DO SENHOR AFONSINHO” – INSP. FIDALGO

Como é dito, não havia acesso para ninguém do exterior e por isso o assistente do inspector tinha a certeza de que tudo se resolveria entre os dois primos que estavam vivos.
A questão do suicídio ficava desde logo excluída uma vez que o cadáver se apresentava de modo que impedia esse facto, quer pela posição em que se encontrava, nada plausível para um suicídio, quer pela existência do orifício de entrada do projéctil acima da orelha esquerda da vítima, quando a arma estava junto da sua mão direita. Igualmente de assinalar a falta da cápsula, não referida apesar da busca minuciosa.
Assim, acabam por subsistir os dois primos que viviam com a vítima. Um deles terá posto fim à vida dele, mas importava saber qual e onde. Naquele escritório ou fora dele?
A descrição do local indica que o crime não foi cometido ali, porque não há sangue em quantidade para um tiro desferido numa das zonas mais irrigadas do corpo humano. Mesmo tratando-se de um tiro de arma de pequeno calibre, como a descrição sugere, o sangue teria de brotar com alguma violência, sobretudo no momento do contacto violento e desamparado com o chão. Os salpicos em redor da cabeça com laivos na parte exterior e alongados, indicam que foram provocados do centro para a periferia, da cabeça para o exterior. Parecem, pois, estar correctos, só que numa queda em superfície horizontal, como é o caso, os salpicos não seriam apresentados por igual em redor de toda a cabeça, mas localizados a partir do orifício.
As análises “sherlokianas” feitas pelo ajudante do inspector apenas permitem averiguar com toda a certeza se são de sangue ou não. E neste caso, quer uma, quer outra, revelam que não se trata de sangue!
Conclusão óbvia, houve encenação. O crime foi cometido fora daquela sala, o cadáver chegou ali já sem sangramento e o responsável borrifou o chão, a partir da cabeça da vítima, com um líquido que se pode confundir com sangue à vista desarmada.
Chegados a esta conclusão, resta saber quem terá arrastado o cadáver. O modo de o fazer difere se é feito por um homem ou por uma mulher. Um homem pega no corpo pelos sovacos e arrasta-o com os calcanhares pelo chão. Uma mulher, sobretudo por falta de força para erguer o corpo pelos sovacos, puxa-o pegando pelos pés, fazendo deslizar o corpo apoiado nas costas e nuca.
Neste caso, face ao que está descrito, verificamos que a vítima era um homem atlético e musculado. Logo, algo pesado. Sobre os dois candidatos a criminosos, o primo era para o gordito, mas de boa compleição e a prima era esbelta e frágil. Assim, sendo necessária força, o primeiro a ser chamado pelo ajudante do inspector, se este lhe der o aval, será o Afonso.

PARTE II – “FESTAS DE ANIVERSÁRIO… OU NÃO!” – INSP. FIDALGO

Solução: C – O notificado só podia ser o Ptolomeu.
O ano de nascimento relaciona um acontecimento importante com a cidade de Santarém, o que numa época mais recente apenas poderá ser associado com o 25 de Abril e Salgueiro Maia, um dos seus executores mais importantes. Chegamos, pois, a 1974.
Quarenta nos depois, chegamos a 2014, ano em que decorrem todos estes factos.
A haver notificação, esta seria para um dos seguintes dias: 5 de Outubro; 1 de Novembro ou 1 de Dezembro. Todos feriados nacionais em que os serviços públicos estão encerrados, pelo que não poderia haver notificações. Em condições normais, seria a alínea D a correcta.
Só que o governo em exercício retirou quatro feriados, dois civis e dois religiosos, entre eles os três que estão em causa: 5 de Outubro, 1 de Novembro e 1 de Dezembro. Destes, no entanto, o primeiro calhou a um domingo, o segundo a um sábado e só o 1 de Dezembro calhou a uma segunda-feira! Só nesta data poderia haver notificação e o alvo apenas poderia ser o Ptolomeu.


domingo, 12 de novembro de 2017

POLICIÁRIO 1371



VOTAÇÃO NO SÉCULO XXV

Chegamos ao final da nossa competição desta época, com um desafio que pode e deve ser considerado como uma homenagem ao nosso confrade Manuel Botas Constantino, seguramente um dos grandes vultos do Policiário em Portugal, como produtor de enigmas policiais e ensaísta de grande qualidade, para além de uma vida cheia de coisas importantes.
Se na passada semana, Manuel Constantino nos brindou com mais um excelente exercício policiário, no encerramento das comemorações do nosso XXV aniversário, hoje é a vez de retribuirmos a honra de o ter nas nossas páginas, com um grau de disponibilidade que só surpreende quem o não conhece pessoalmente, apesar das dificuldades que os mais de 90 anos de vida transportam, sobretudo a falta de vista que há já uns anos vem limitando aquilo que tanto gosta de fazer: ler e escrever.
Por isso, o problema de hoje, não é um problema para ninguém. Não foi para quem o escreveu e não será para quem o tentar decifrar, porque qualquer que seja a alínea por que os “detectives” optem, ela está correcta, dependendo apenas do gosto pessoal de cada um.
Por nós, assumidamente admiradores de Manuel Constantino e dos seus múltiplos problemas e personagens, a opção é simples: D.
Ora leiam e digam se não temos razão:

CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL – 2017
PROVA N.º 10 (ÚLTIMA) – PARTE II
“VOTAÇÃO NO SÉCULO XXV” – Original de HOMMBCALMPOR

O Conselho estava reunido há vários dias, com apenas um ponto na agenda.
Desde que começara o século XXV, as buscas sobre o que foram os séculos XX e XXI intensificaram-se e havia já muitas conclusões, que não passavam por este assunto, que permanecia em aberto:

Quem foi o melhor produtor de enigmas policiários?

Uma vasta equipa de estudiosos percorria ficheiros, suportes de informação de toda a espécie, até jornais e publicações várias, mas não havia unanimidade. Por isso ia reunir o grande plenário, que tinha de assumir as suas responsabilidades e indicar, sem qualquer margem de erro, quem foi o grande vulto da produção policiária dos séculos XX e XXI.
Para tal, em primeira instância foram chamados a pronunciar-se todos os estudiosos que se debruçaram sobre o assunto, para que sugerissem ao Conselho uns tantos nomes para os sujeitar à aprovação.
Depois de indicados esses nomes, cada um dos conselheiros usava os seus poderes para escolher o seu autor preferido.
Cumpridos esses procedimentos, o presidente do Conselho coligiu todos os dados e convocou uma reunião plenária para os facultar.
- Há empates! Sim, empates, porque são vários! Por isso, vamos colocar à consideração de toda a assembleia quatro opções a votar. Se acharem que um dos três produtores é merecedor do título, votem A, B ou C, conforme entenderem; se acham que todos eles estão ao mesmo nível, têm a opção D. Que ninguém se furte às suas responsabilidades. As opções são:

A – M. CONSTANTINO
B- MÁRIO CAMPINO
C- ZÉ DA VILA
D – TODOS OS ANTERIORES

E pronto.
Agora o desafio está do lado dos nossos “detectives”, que deverão, impreterivelmente até ao próximo dia 5 de Dezembro, indicar a alínea da sua preferência, para o que poderão usar um dos seguintes meios:
- Pelo Correio para: Luís Pessoa, Estrada Militar, 23, 2125-109 MARINHAIS;
- Por entrega em mão ao orientador, onde quer que o encontrem.
Boas deduções!


CONCURSO DE CONTOS POLICIAIS

 O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 1 de Novembro de 2017 divulgou os resultados do concurso de contos “Um Caso Policial em Gaia”, a que demos o devido relevo e divulgação ao longo do prazo para apresentação dos trabalhos. Eis o teor da notícia:
 LUÍS PESSOA É O GRANDE VENCEDOR DO CONCURSO DE CONTOS. Luís Pessoa, contista, ensaísta, produtor de enigmas, amante e divulgador da escrita policial, animador da secção Policiário da edição dominical do jornal Público, rubrica que mantém viva há mais de vinte e cinco anos, é o grande vencedor do Concurso de Contos “Um Caso Policial em Gaia”. Nos lugares seguintes, posicionaram-se os concorrentes Rigor Mortis, António Raposo e António Jesus de Serra Nunes, por esta ordem, com os contos “Cruzeiro no Rio Douro”, “O Roubo da Abelha Gaia” e “Assalto ao Banco”, respetivamente. Recordamos, entretanto, que o Júri distinguiu ainda com menções honrosas os concorrentes Madame Eclética e Daniel Gomes, com os contos “Uma Noite no Convento” e “Viagem de Teleférico”, respetivamente. No caso do grande vencedor, para além do respetivo troféu, conquistou também o direito à publicação do seu conto nas páginas do AUDIÊNCIA GP”.

Na notícia ficou a faltar o título do conto vencedor, “Sol de Inverno”, que começou a ser publicado, em partes devido à sua extensão (recordamos que os regulamentos não definiam um limite máximo de páginas), no blogue Local do Crime, em localdocrime.blogspot.pt. e que esperamos poder vir a publicar na íntegra, tal como todos os restantes contos mencionados, no nosso blogue Crime Público.

Um apontamento final de agradecimento ao confrade Inspector Boavida, o “pai” desta iniciativa, que conseguiu pôr muitos “detectives” a escrever, uma prática cada vez mais rara e estranha nos tempos que correm. À sua decepção por não ter contado com uma adesão ainda mais significativa, contrapomos o mérito de colocar na ordem do dia a escrita policial em português e reunido, ao que nos é dado saber, bons trabalhos, a pedir novas iniciativas.



domingo, 5 de novembro de 2017

POLICIÁRIO 1370



CAMPEONATO NACIONAL E TAÇA DE PORTUGAL - 2017
PROVA N.º 10 (ÚLTIMA) – PARTE I
“O ÚLTIMO BEIJO?” – Original de M CONSTANTINO
                              

Noite gélida e ventosa – que o crime desconhece meteorologia. O alarme deu-se às 22.34 minutos. Dezassete minutos após, o piquete estava junto aos carros patrulha. Dum deles saiu o médico legista – caso raro de perfeita coordenação! O agente apontou o 1º andar. “Luz & Luz”, comerciantes, propriedade do irmão mais novo, Lúcio, do filho Dário e de Pedro, filho do falecido luz. Lúcio, vítima recente de atropelamento e fuga, considerada tentativa de homicídio, dependia de uma bengala de carvalho argolada. Prejuízos e roubos na firma abreviavam o regresso à gerência. Constam sérias zangas com Dário, acusado de “não ser seu filho”, “falta de visão negocial”, “só é bom na raquete e com as duas mãos”, factos que favoreciam o sobrinho!
À porta fechada do 1º andar, um outro agente aguardava. Pedro, que dera o alarme, interrompeu o passei nervoso, abafado pelo comprido cachecol, bradou: “Estão mortos! Mataram-se um ao outro e...” Interrompi. Pedi ao agente que o levasse para outra sala. Trocadas luvas pelas de látex, entrei seguido do legista e do meu parceiro Rui. Dois homens jaziam estendidos no soalho. Lúcio, de costas, fora atingido em pleno peito com metade de uma tesoura de cerca de 25 centímetros. O sangue escuro coagulara na camisa e numa mancha no chão. Na lividez da face direita sobressaía o batom vermelho de uns lábios: um último beijo? Dário, de bruços, na frente, braços estendidos, mão direita enluvada, uma ferida na testa. Entre ambos, com a ponta de apoio perto da mão de Lúcio, a pesada bengala. Tirámos fotos, enquanto o legista cortava a camisa e expunha a ferida. Depois de extrair a arma, declarou com competência: “Espuma e sangue nos cantos da oca, a lâmina resvalou entre as costelas, de certeza perfurou o coração – fatal!” Aproximou-se de Dário e gritou: “Uma ambulância! Urgente ou perdemo-lo!” Dia de milagres, dir-se-ia. Ao removerem o ferido caiu-lhe da mão esquerda um molho de chaves, entre as quais a da porta, unidas por uma chave de prata onde se lia “Dário S. Luz, Doador universal”. Cliché mental: Lúcio, também ele doador, “um dos puros”, fazia notar que na raça branca o seu tipo de sangue é apenas de 5%, convenceu Dário a ser um deles. Aí este conheceu a namorada, Ema, agora noiva, ou melhor ex-noiva da vítima viúvo, elegante, rico. Razão das zangas? Provável. Debrucei-me sobre o morto. Notei que a marca do beijo estava ao contrário, isto é, como se fosse beijado de cima para baixo, facto que contraria a lógica. Dos bolsos retirei uma ponta de uma folha de contas, que deduzi fora arrancada à força, mas não encontrei a parte restante. Fixei o armário junto à entrada, de portas sólidas escancaradas e o conteúdo empilhado no chão: folhas de clientes numeradas, com algumas faltas. Rui informou que os móveis, secretária, telefone estavam limpos de digitais e não sabia como foram limpos, pois as toalhas e panos de limpeza não tinham vestígios de uso. O computador fora violado. Sugeri à directoria o envio de peritos informáticos e de contabilidade. A bengala e a arma seguiram para o laboratório. Subitamente a janela da esquerda abriu-se. Fui fechá-la, mas estaquei: um pingo de sangue oblongo, recente, jazia entre o corpo e a janela, distante de ambos, vinha desafiar-me o raciocínio. Indiquei-o a Rui para assinalar e enviar para análise. Fechei a janela depois de olhar a viela ventosa. A sala voltou à amena temperatura anterior. O corpo foi enviado para autópsia. Selei a porta e fui ao encontro de Pedro que tremia. O meu parceiro voltou: com a lanterna A.L.S. de raios ultravioletas, percorreu o corpo do rapaz, concluindo: “sem vestígios incriminatórios”. Lembrei-me para providenciar as buscas na roupa de Dário e voltei-me para Pedro. Relatou que o tio marcara uma reunião para as 22h mas, por dificuldades de estacionamento chegou minutos depois das 22.30h. Viu os sócios caídos, depreendendo imediatamente que se agrediram e mataram um ao outro. Não perdeu tempo, ligou ao 112 e correu para baixo. “Não, não mexi em nada” … “o polícia nem chegou a entrar, da porta telefonou logo” … “sim, ele e o primo utilizavam o computador”. Rui levou o rapaz para o carro a fim de passar o depoimento a escrito. O polícia que havia confirmado a sua condução no caso, falou com o colega e comunicou-me que no decorrer da ronda haviam visto o carro de D. Ema parado à porta aberta do prédio do escritório, sinalizado mas sem ninguém dentro. Eram 21,45h. Eis um elo de ligação muito a propósito. Voltámos à PJ e solicitei a Rui para convocar Ema, para depoimento. Abri o computador. Liguei ao Hospital cerca das 3.30h, chefe da equipa médica de serviço, elucidou-me: “Fractura sem lesão do cérebro, ruptura de uma veia temporal, com derrame – teve sorte, o osso frontal diminuiu o impacto. Nada de interrogatórios, não se lembra de nada … facto que pode ser físico ou psíquico… Há que aguardar...” Voltei ao computador.
Acordei estremunhado com o telefone… “porra adormecera!” Era o legista: “Certo o diagnóstico adiantado. Hora da morte 21.30/22.30. Segue relatório.” Olhei o relógio: 10.35h. Em cima da mesa, um copo de café frio, dois jornais do dia abordavam o caso; “Crime Passional?” “Parricídio?”. Um bilhete de Rui: “Sonhos coloridos”; vou buscar a dama para depoimento. Fui a casa retemperar-me com um banho e café. Pus hipóteses, eliminei conjecturas. Precisava de verificar algo para justificar outro algo! Aproveitei o regresso ao serviço para passar na viela junto aos escritório dos Luz. Percorri-a, o vento deixara bocados de papel de jornal, mas nada de interesse.
Na PJ, sobre a secretária encontrei um fax do laboratório: “exame da gota de sangue com o da arma/esta sem impressões digitais/são exclusivamente da vítima as da bengala em cujo extremo anterior da argola detectamos um pouco de pele do frontal, no interior e início da curvatura da bengala revelou quatro cabelos de 0,5 cm/ confirmamos em relatório próprio”; um memorando de serviço de Rui: “pesquisas vestes de Dário e Ema, negativos; junto depoimento desta última”. Do depoimento extraí: “esperava por Lúcio à saída do trabalho e foram jantar após o que ele dormitara numa poltrona enquanto refazia a maquilhagem, depois levou-o ao escritório. Não saiu do carro, lembra-se de se ter escondido debaixo do volante quando uns faróis nos máximos se aproximaram devagar. Às 22h estava na associação de voluntários.”
Voltara à estaca zero. Ou não? Esperem, os acontecimentos começaram a desenhar-se.
Quando o director me convocou para uma conferência às 15.30h, tinha “o dedo no gatilho para disparar certeiro” com argumentos justificativos.
E vós, leitores?









                                    

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

UM CASO POLICIAL EM GAIA



O DESAFIO DOS ENIGMAS - edição de 1 de novembro de 2017 LUÍS PESSOA É O GRANDE VENCEDOR DO CONCURSO DE CONTOS Luís Pessoa, contista, ensaísta, produtor de enigmas, amante e divulgador da escrita policial, animador da secção Policiário da edição dominical do jornal Público, rubrica que mantém viva há mais de vinte e cinco anos, é o grande vencedor do Concurso de Contos “Um Caso Policial em Gaia”. Nos lugares seguintes, posicionaram-se os concorrentes Rigor Mortis, António Raposo e António Jesus de Serra Nunes, por esta ordem, com os contos “Cruzeiro no Rio Douro”, “O Roubo da Abelha Gaia” e “Assalto ao Banco”, respetivamente. Recordamos, entretanto, que o Júri distinguiu ainda com menções honrosas os concorrentes Madame Eclética e Daniel Gomes, com os contos “Uma Noite no Convento” e “Viagem de Teleférico”, respetivamente. No caso do grande vencedor, para além do respetivo troféu, conquistou também o direito à publicação do seu conto nas páginas do AUDIÊNCIA GP.

in blog LOCAL DO CRIME

terça-feira, 31 de outubro de 2017

CLASSIFICAÇÃO DIC ROLAND - AS MELHORES

CAMPEONATO NACIONAL - 2017

PROVA N.º 8
DIC ROLAND

1.º - DETECTIVE JEREMIAS – 5 PONTOS
2.º - INSPECTOR BOAVIDA – 4 PONTOS
3.º - BÚFALOS ASSOCIADOS – 3 PONTOS
4.º - INSPECTOR ARANHA – 2 PONTOS
5.º - MISTER H – 1 PONTO


CLASSIFICAÇÃO MEDVET - AS MAIS ORIGINAIS

CAMPEONATO NACIONAL 2017

PROVA N.º 8
MEDVET

1.º - DETECTIVE JEREMIAS – 5 PONTOS
2.º - INSPECTOR ARANHA – 4 PONTOS
3.º - DECO – 3 PONTOS
4.º - TROIKOSTA – 2 PONTOS
5.º - UNIAQUE – 1 PONTO



segunda-feira, 30 de outubro de 2017

PONTUAÇÕES PROVA 8 - PARTE VI

Tino Serra 8 2 8 1 8 2 8 2 8 2 8 2 8 1 6 2
Tino Serrão 8 1 8 1 8 1 10 2 10 1 10 1 10 2 6 2
Tinov 10 2 8 2 7 2 9 1 7 2 8 2 7 1 6 2
Tio Nacho 10 2 9 2 8 2 9 2 8 2 8 1 8 2 6 2
Tio Olhinhos 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tiranossauro 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 8 2 7 2 6 2
Tiranus 10 2 6 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tiro Certeiro 8 1 8 2 8 2 8 1 8 1 10 1 10 2 10 2
Tirolês 10 2 8 1 8 2 8 2 7 2 8 1 9 2 7 2
Titta 9 1 8 2 7 2 8 2 8 2 7 2 8 1 6 2
Titus Smiley 7 2 7 2 8 2 7 2 8 2 8 1 7 2 6 2
Tlocaletla 10 2 8 1 10 1 10 2 6 2 8 2 8 2 6 2
10 2 10 2 8 2 10 2 8 1 10 1 10 2 6 2
Tó Almeida 8 1 7 2 8 2 8 2 8 2 9 1 7 1 7 2
Tó Azinho 8 1 8 1 8 2 8 2 8 1 8 1 8 2 8 2
Tó Barbosa 7 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 1 8 2 8 2
Tó Bimbo 10 2 8 2 8 1 8 2 7 1 8 2 7 1 8 2
Tó Corneta 10 2 10 2 10 2 7 2 8 1 9 1 10 1 10 2
Tó Dani 10 2 10 1 7 2 10 2 10 1 10 2 10 1 6 2
Tó Jó 8 1 7 2 8 2 8 2 7 2 8 1 8 2 6 2
Tó Mané 10 2 8 1 8 1 8 1 8 2 8 1 9 2 8 2
Tó Nano 10 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tó Olavo 10 2 8 1 8 2 7 2 8 1 9 2 7 2 6 2
Tó Oliveira 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tó Santos 10 2 8 1 8 2 10 1 10 1 6 1 8 2 6 2
Tó Serra 10 2 8 1 8 2 10 2 8 1 8 1 8 2 8 2
Tó Silva 8 1 8 2 7 2 8 2 8 1 8 2 7 2 8 2
Tó Zé 8 1 9 1 8 2 8 2 7 2 7 2 7 2 7 2
Tobuz 10 2 6 2 8 1 10 2 10 2 8 1 10 2 10 2
Tocali 10 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 1 9 2 8 2
Today Good 10 2 10 2 8 2 10 1 8 1 8 1 8 1 7 2
Toddy Bell 10 2 10 1 10 2 8 2 7 1 8 1 8 2 7 2
Tofim 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tola Big 10 2 8 1 8 2 7 2 9 2 7 2 7 1 6 2
Tola de Platina 7 1 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tola Meco 10 2 10 2 10 2 8 2 6 1 8 1 8 2 6 2
Tolas 10 2 10 2 8 1 8 2 8 2 8 2 10 2 10 2
Tolentino 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 7 2 8 2 8 2
Tolidó 7 2 8 2 7 2 10 1 8 1 8 1 9 2 8 2
Tolinhas 10 2 8 1 8 2 7 2 7 1 8 2 9 2 7 2
Tollan 8 1 8 1 8 1 10 1 10 2 10 1 10 2 10 2
Tondelão 8 2 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tongo 10 2 8 2 10 2 8 2 8 2 8 2 7 2 8 2
Toni Pratas 7 1 8 1 8 2 8 2 10 2 8 1 8 2 8 2
Tordo Picão 8 1 10 2 8 2 8 1 8 1 7 1 8 1 8 2
Tortulho 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 8 2 7 2 8 2
Tournesol 10 2 10 2 8 1 7 2 7 1 8 1 8 2 6 2
Toy 10 2 8 2 10 2 10 2 8 2 10 2 7 1 6 2
Toygrosso 10 2 10 2 10 2 8 1 8 2 8 1 8 2 0 0
Tracy 8 2 8 1 10 2 10 2 10 2 10 1 8 2 6 2
Trapalhonni 7 1 7 1 7 2 8 2 7 2 7 1 8 2 6 2
Tre Moço 8 2 8 2 8 1 8 2 8 1 8 1 8 2 7 2
Trecolareco 10 2 10 1 10 2 8 1 8 2 8 1 7 1 6 2
Treko 10 1 10 1 10 2 10 2 8 2 8 1 6 2 6 2
Tremble 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tretas 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tríade Doyrada 8 2 8 2 8 2 8 1 8 2 8 2 9 2 0 0
Trianon 10 2 8 1 8 2 8 2 10 1 10 1 10 2 0 0
Triartur 9 1 10 1 7 1 10 2 7 1 8 1 7 1 6 2
Triatleta 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Trinca Espinhas 10 2 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Trinitá 10 2 10 2 8 2 10 2 8 1 8 1 8 2 6 2
Trinor 10 2 9 2 8 2 8 2 8 2 8 2 9 1 6 2
Trio Coxo 8 2 8 2 10 2 8 2 8 2 9 1 10 2 6 2
Trio Plasma 7 2 8 2 8 2 10 1 10 1 10 2 10 2 10 2
Tripeiro 10 2 8 2 10 1 10 2 10 2 8 1 8 2 8 2
Triplo A 10 2 8 2 10 2 10 2 8 2 8 1 8 1 0 0
Trish 8 1 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tritão 10 2 8 2 9 2 8 2 10 2 7 1 7 2 6 2
Trivela 7 1 10 2 8 2 8 2 8 2 8 1 8 2 7 2
Tro(i)ka 8 2 7 2 10 1 8 2 8 1 8 2 8 2 6 2
Troca Tintas 8 2 8 1 10 2 8 1 8 2 8 1 8 1 6 2
Troca Troika 10 2 10 2 8 2 7 2 8 1 8 2 8 2 8 2
Troikeiro 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 7 1 0 0 0 0
Troikinha 10 1 10 2 10 2 8 2 7 2 8 1 7 2 7 2
Troikosta 10 2 10 2 10 2 7 2 8 2 8 1 9 2 8 2
Troll 10 2 5 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Trombone 10 2 5 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tropa K 10 2 10 1 10 2 9 2 8 2 7 1 9 1 10 2
Tropez 10 2 10 2 8 1 8 2 8 1 8 1 8 2 7 2
Trotinetas 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 9 2 9 2 8 2
Trovador 10 2 8 1 8 2 10 1 10 2 8 1 8 2 10 2
Truck Man 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Tu Sipras 8 2 10 2 10 2 10 2 8 2 7 2 7 2 8 2
Tube Borges 8 2 7 1 8 1 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2
Túlipa Negra 10 2 10 1 8 1 8 2 8 1 8 1 8 2 6 2
Turista 10 2 10 2 8 1 8 2 8 2 8 2 8 2 6 2
Turpim 10 1 10 1 8 2 8 2 7 2 8 1 8 2 6 2
Tuta & Tita 8 2 9 1 8 1 9 2 8 1 7 1 9 1 7 2
Tutano Dourado 8 2 9 2 8 2 8 2 7 2 6 1 8 2 6 2
Tuxa 7 1 8 2 7 2 7 2 8 2 8 1 7 2 6 2
Twenty Four 8 2 7 2 9 2 8 2 6 1 8 2 8 2 6 2
Txis 10 2 10 2 8 2 8 2 6 1 0 0 0 0 0 0
U 10 2 10 1 8 2 8 2 10 2 10 1 10 1 6 2
U Ecco 10 2 8 2 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Ubaldo Pinoia 10 2 8 1 9 2 10 2 10 2 8 2 8 2 6 2
Ubi 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 10 2 10 1 8 2
Ubulino 10 2 8 1 8 2 8 2 8 1 8 1 9 1 7 2
Uburu 8 1 10 2 8 2 10 2 7 2 8 2 9 1 0 0
Udaca 7 2 8 1 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 6 2
Udino 10 2 10 2 10 2 8 2 10 2 7 1 8 1 6 2
Udorico 9 2 10 2 8 1 8 2 8 1 8 2 7 2 6 2
Uducuru 8 1 8 2 10 2 10 1 10 2 10 1 10 2 6 2
Udumastic 10 2 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Ufo 10 2 8 2 10 2 7 2 8 2 7 2 8 1 6 2
Uidiu 7 2 8 2 8 2 8 2 8 1 8 2 8 2 6 2
Ultra 10 2 8 1 8 2 8 2 8 1 8 1 7 2 7 2
Uniaque 10 2 10 2 10 2 8 2 7 2 7 1 9 2 6 2
Unicafor 8 1 8 1 10 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2
Unilateral 10 2 10 1 10 2 8 2 10 2 8 1 6 1 6 2
Unima 10 2 10 2 8 2 7 2 8 1 8 1 8 1 6 2
Universal 8 2 6 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Uno 10 2 7 2 9 2 10 2 10 2 7 2 8 2 6 2
Urso Pardo 10 2 8 2 9 2 8 2 8 2 8 1 9 2 6 2
Urso Sentado 10 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Urso Zaruco 8 1 9 2 7 1 10 1 10 1 10 2 9 1 7 2
Ursulino 9 1 8 1 8 2 8 2 7 2 7 1 8 2 6 2
Urtigas 7 1 8 2 8 2 8 2 8 2 8 1 10 1 10 2
Vampirina 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 8 1 7 2 8 2
Vampiro Azul 10 2 10 2 8 2 8 2 8 1 7 1 8 2 6 2
Vampiro do Ó 10 2 10 2 8 1 7 2 9 1 8 1 8 1 6 2
Vampiro Sapão 8 1 8 1 8 1 8 2 8 2 8 2 7 2 6 2
Van Biz 8 1 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Van Duc 10 2 8 1 7 2 8 1 8 2 10 1 10 2 6 2
Vanda Silva 10 1 10 2 8 2 10 2 10 2 8 2 9 2 7 2
Vânia 7 2 7 2 10 2 10 2 8 1 8 2 8 1 6 2
Vari Sela 10 2 10 2 10 2 10 2 8 2 8 1 8 1 6 2
Vasco Vaz 10 2 10 2 8 2 8 2 10 2 8 1 9 2 10 2
Vasquinho 10 1 8 2 8 1 8 1 8 1 7 1 6 2 6 2
Vasquito 8 2 8 1 10 1 10 1 8 2 8 1 8 2 6 2
Vata 10 2 10 2 8 1 8 2 7 2 8 2 7 1 8 2
Vendedor Pirado 9 2 10 2 10 2 8 2 8 1 7 1 6 2 6 2
Ventoinha 10 1 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Vénus 10 2 10 2 8 2 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0
Vera 10 2 10 1 10 2 8 2 8 2 10 1 10 2 7 2
Vera Lopes 10 2 7 2 8 1 8 1 8 1 8 2 9 1 6 2
Vera Xara 8 2 7 1 8 2 8 2 9 2 8 2 8 2 6 2
Vercce 10 2 10 2 10 2 8 2 10 2 8 2 9 2 6 2
Verde Smart 10 1 10 2 10 2 9 2 8 1 8 1 7 1 6 2
Verdilhão 8 2 8 1 7 2 10 2 8 1 8 1 8 1 6 2
Vespa 8 2 8 1 8 1 8 2 8 1 7 1 8 2 8 2
Vetamina 10 2 10 2 10 2 8 2 7 2 0 0 0 0 0 0
Vetux 10 1 10 2 10 2 10 1 10 1 8 1 8 2 6 2
Vi Da 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 8 1 8 2 7 2
Via Verde 9 2 8 2 8 1 8 2 8 2 10 1 10 1 10 2
Vicente 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Vicente Catruz 8 2 10 2 10 2 8 1 8 2 8 2 7 2 8 2
Vidal 10 2 10 2 8 2 10 2 10 2 8 1 8 1 8 2
Vidal Cancela 10 1 8 2 8 2 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0
Vigantol 10 2 10 2 8 1 10 2 10 1 7 1 8 1 8 2
Vikew 8 2 8 2 8 2 8 1 8 2 8 1 8 1 8 2
Villamorena 8 2 10 2 10 1 8 2 8 2 8 2 8 1 7 2
Vimaranense 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Violinista 10 2 10 2 9 2 8 2 7 1 8 2 8 2 0 0
Violino 8 2 8 1 8 2 8 2 8 1 9 2 8 1 6 2
VIP 10 2 8 1 7 1 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0
Virgílio 10 1 8 1 7 2 8 1 8 2 7 1 7 1 7 2
Virgílio Silva 9 1 0 0 0 0 0 2 0 1 0 0 0 0 0 0
Viriato 10 2 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 8 1 0 0
Virmancaroli 0 0 9 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Virola 7 2 7 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2
Virtual Boss 8 2 8 1 8 2 8 1 10 1 10 2 8 1 6 2
Visco Sagrado 8 2 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Visionário 10 2 10 2 10 1 8 2 10 2 10 1 10 2 6 2
Vítor Maria 8 2 8 2 8 2 9 2 8 2 7 2 8 2 6 2
Vítor Patrício 10 2 10 2 8 2 10 2 10 1 10 2 10 2 6 2
Vitorino 8 2 8 2 10 2 8 2 7 2 8 2 8 1 6 2
Vizinho Cusco 7 2 8 1 7 1 8 2 8 2 8 1 9 2 6 2
Voar Raov 10 2 10 2 10 1 8 2 8 2 8 2 9 2 6 2
Vodinar 10 1 10 1 8 2 8 2 7 2 7 1 8 2 10 2
Von Haan 10 2 10 2 8 2 8 2 8 1 8 2 7 1 7 2
Von Herman 8 1 8 1 8 2 9 1 9 2 8 1 8 2 7 2
Von Strugger 10 2 10 1 10 1 8 2 6 2 7 2 8 1 8 2
Vulcão 10 2 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Vulk 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2 9 1 6 2
Vuvu 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 7 1 8 1 6 2
Wagner Cuba 10 2 10 2 10 2 8 1 8 1 8 1 10 1 10 2
Walking Pass 10 2 10 1 8 1 8 2 7 2 8 2 8 2 7 2
Wanda 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Wanda Mila 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 8 1 7 1 6 2
WB 8 2 8 1 10 2 10 2 10 1 10 1 10 2 6 2
Werr 8 1 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Westblog 10 2 10 2 10 2 10 2 8 1 9 1 8 2 6 2
White Brick Hall 10 1 10 1 10 1 8 2 8 1 8 2 10 1 6 2
White Laser 8 2 8 1 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2 0 0
Wimpee 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Wimsey 10 2 9 1 8 2 10 2 8 2 8 1 9 2 8 2
Wipp 10 2 7 2 10 2 8 1 8 2 8 2 8 2 7 2
Wolfe 10 2 8 2 10 1 10 2 10 1 8 1 7 1 7 2
Wood Casual 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Www 10 2 8 2 8 2 8 2 8 2 10 2 8 2 7 2
X 10 2 8 2 8 2 8 1 8 2 7 2 6 2 8 2
X Edevaldo 10 2 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 6 0 0 0
X P T O 10 2 10 2 10 1 7 2 7 1 8 2 6 2 6 2
X Y Z 10 2 10 2 8 2 8 2 8 1 8 2 9 2 8 2
X2 Oz 10 2 8 1 8 2 8 1 8 1 7 1 0 0 0 0
10 2 9 1 7 2 8 2 8 2 8 1 7 1 10 2
Xabi 10 1 8 2 9 2 10 2 8 2 8 2 7 2 8 2
Xabrês 8 1 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Xakal 10 2 10 2 10 1 8 2 10 2 8 1 8 1 6 2
Xanfras 8 2 10 1 8 2 8 1 8 1 10 1 10 1 6 2
Xappo 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 7 1 8 1 7 2
Xeltox 10 2 8 1 8 2 7 2 8 2 8 2 8 1 6 2
Xeretta 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Xico Esperto 10 2 7 2 10 1 8 2 9 2 8 1 7 2 6 2
Xico Gordo 10 2 8 2 7 2 8 2 8 1 8 1 9 2 0 0
Xico Milas 10 2 8 2 8 2 10 2 10 1 10 2 10 2 6 2
Xila 8 2 8 1 8 2 8 2 8 2 7 2 7 1 0 0
Xilindró 44 9 2 7 2 0 0 8 0 8 0 0 0 0 0 0 0
Xiripiti 8 2 10 2 10 1 8 2 8 2 8 1 8 2 8 2
Xis 10 2 10 1 10 2 7 2 7 2 8 1 8 2 7 2
Xlem 10 1 10 1 10 2 10 2 10 1 8 1 8 1 7 2
Xóxó 7 2 8 1 8 2 8 2 8 1 10 2 10 1 7 2
Xuta & Corre 8 2 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Ya Meu 10 2 8 2 8 1 8 2 8 1 8 1 7 2 6 2
Yahoo 10 1 10 1 10 2 8 1 8 2 8 2 8 2 0 0
Yang Chan 8 1 8 2 7 2 8 2 7 2 7 2 9 2 0 0
Yannik 8 1 8 1 8 1 9 2 10 2 10 2 9 1 0 0
Yek 10 2 8 2 8 2 8 2 8 1 8 1 8 1 8 2
Yrinn 10 2 7 2 8 2 6 2 8 2 8 2 7 2 6 2
Yull 10 2 8 2 10 2 10 2 10 2 8 1 7 1 0 0
Yut Agar 10 2 10 2 10 1 10 1 10 2 8 1 10 1 6 2
Yutelmi 8 1 8 1 7 2 8 2 8 2 8 1 8 1 8 2
Z 10 2 8 1 10 1 8 2 8 2 8 1 9 1 6 2
Z L R L 10 2 10 2 8 1 8 2 7 1 8 1 9 1 6 2
Z P 10 2 10 2 10 1 8 1 8 2 8 2 7 1 6 2
Zaah 8 2 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zabiá 10 2 10 2 10 2 8 2 9 1 10 1 10 2 6 2
Zana Xita 10 1 8 2 7 2 8 1 8 2 8 1 8 2 6 2
Zappa 10 1 9 1 10 1 10 1 0 0 0 0 0 0 0 0
Zarco 10 2 7 1 8 2 10 2 10 2 8 2 8 1 6 2
Zarim Gago 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2 9 2 7 2
Zarú 8 2 8 2 8 1 9 1 8 1 7 1 8 2 8 2
Zázá 10 2 10 2 10 2 8 2 10 2 8 2 10 2 10 2
Zazu Trevo 10 1 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
10 2 9 1 10 2 10 2 10 2 10 2 0 0 0 0
Zé Alberto 10 2 8 2 10 2 10 2 8 2 10 2 7 2 6 2
Zé Bacalhau 10 2 10 2 8 2 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0
Zé Bagulho 8 1 8 1 8 2 8 1 10 2 8 1 10 2 8 2
Zé Carioca 10 2 8 1 8 1 8 2 8 2 8 2 8 2 7 2
Zé de Nisa 10 2 8 2 7 2 8 2 8 1 10 2 10 1 6 2
Zé do Castelo 10 2 10 1 8 2 7 2 9 2 10 1 10 1 6 2
Zé Elástico 8 1 8 1 8 2 8 1 8 2 8 2 7 2 6 2
Zé Faneca 9 2 10 2 7 2 8 2 8 2 8 2 8 2 8 2
Zé Ferry 10 2 10 2 10 1 9 2 8 2 8 1 8 1 6 2
Zé Hilário 10 1 10 2 10 2 8 2 8 2 7 2 9 1 6 2
Zé Ireneu 10 2 10 1 8 2 8 2 6 2 8 1 9 1 6 2
Zé Janeca 10 2 10 2 10 2 7 2 8 1 7 2 8 2 7 2
Zé Jonas 10 2 8 1 8 1 8 2 7 2 7 1 8 1 0 0
Zé Matulão 8 2 8 2 9 1 8 2 8 2 8 1 8 2 6 2
Zé Maurício 7 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zé Mula 10 2 10 1 7 2 10 1 10 2 10 2 10 2 6 2
Zé Noras 10 2 8 1 8 2 8 2 8 1 8 2 8 1 6 2
Zé Pinhão 10 2 8 1 8 1 8 2 8 2 8 1 7 2 6 2
Zé Portuga 8 1 8 2 8 2 8 2 7 2 7 1 7 2 7 2
Zé Puré 10 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zé Rambo 10 2 10 1 10 2 8 2 10 1 8 1 9 1 8 2
Zé Tónio 10 2 10 1 10 2 8 2 8 2 10 1 6 2 8 2
Zé Valente 8 2 8 1 8 2 8 1 8 2 8 2 9 2 6 2
Zé Vilela 7 2 8 2 8 1 8 2 9 1 8 2 9 2 0 0
Zé Vinhais 8 2 8 2 10 2 10 2 10 2 8 1 8 2 10 2
Zé Xarope 10 1 7 2 7 1 7 2 8 1 9 1 8 2 8 2
Zé Zarolho 10 2 10 2 7 2 10 2 10 1 10 1 10 1 8 2
Zé Zero 10 2 10 2 10 2 10 2 8 1 8 2 10 2 6 2
Zeca 10 2 10 2 8 2 10 2 10 2 8 1 8 1 7 2
Zeca Catita 8 1 8 2 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zeca Lupas 10 2 10 2 8 2 8 2 8 2 8 1 8 1 0 0
Zeca Poirot 10 2 8 2 7 2 8 2 8 1 10 1 8 1 0 0
Zélia 10 2 9 1 8 2 8 1 7 2 8 2 7 1 6 2
Zendoff 9 2 8 1 7 2 8 2 8 2 8 2 8 1 6 2
Zermú 10 1 6 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zezé 10 2 10 1 10 2 9 2 10 2 0 1 0 0 0 0
Zezé Gordo 10 2 10 2 8 2 10 1 8 2 0 0 0 0 0 0
Zona J 8 2 8 1 9 2 10 2 10 1 10 2 10 2 8 2
Zorba Syriza 10 2 10 2 8 1 10 2 10 2 8 2 8 1 7 2
Zorro 10 2 7 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zubiabá 7 2 8 1 9 2 8 2 8 2 8 1 9 1 7 2
Zubulanda 10 1 10 1 9 2 10 2 8 2 8 2 9 1 7 2
Zuca Maria 10 1 8 1 10 2 7 1 7 1 0 0 0 0 0 0
Zurc 10 2 10 2 10 2 8 2 10 1 8 2 8 2 6 2
Zurrapão 10 2 10 2 10 2 8 2 8 2 7 2 8 2 10 2
Zuzarte 10 2 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Zzz 10 2 8 1 10 2 10 2 10 2 8 1 10 2 8 2